..

23 de junho de 2011

CANGAÇO: As cabeças mais valiosas do Nordeste brasileiro

(Detalhe: as cabeças de Lampião e Maria Bonita são as 2 últimas do centro, sendo a de Lampião a de baixo)
No dia 27 de julho de 1938, o bando acampou na fazenda Angicos, situada no sertão de Sergipe, esconderijo tido por Lampião como o de maior segurança. Era noite, chovia muito e todos dormiam em suas barracas. A volante chegou tão de mansinho que nem os cães pressentiram. Por volta das 5:15 do dia 28, os cangaceiros levantaram para rezar o oficio e se preparavam para tomar café; quando um cangaceiro deu o alarme, já era tarde demais.
Não se sabe ao certo quem os traiu. Entretanto, naquele lugar mais seguro, segundo a opinião de Virgulino, o bando foi pego totalmente desprevenido. Quando os policiais do Tenente João Bezerra e do Sargento Aniceto Rodrigues da Silva abriram fogo com metralhadoras portáteis, os cangaceiros não puderam empreender qualquer tentativa viável de defesa.
O ataque durou uns vinte minutos e poucos conseguiram escapar ao cerco e à morte. Dos trinta e quatro cangaceiros presentes, onze morreram ali mesmo. Lampião foi um dos primeiros a morrer. Logo em seguida, Maria Bonita foi gravemente ferida. Alguns cangaceiros, transtornados pela morte inesperada do seu líder, conseguiram escapar. Bastante eufóricos com a vitória, os policiais apreenderam os bens e mutilaram os mortos. Apreenderam todo o dinheiro, o ouro e as joias.
A força volante, de maneira bastante desumana para os dias de hoje, mas seguindo o costume da época, decepou a cabeça de Lampião. Maria Bonita ainda estava viva, apesar de bastante ferida, quando foi degolada. O mesmo ocorreu com Quinta-Feira, Mergulhão (os dois também tiveram suas cabeças arrancadas em vida), Luis Pedro, Elétrico, Enedina, Moeda, Alecrim, Colchete (2) e Macela. Um dos policiais, demonstrando ódio a Lampião, desfere um golpe de coronha de fuzil na sua cabeça, deformando-a; este detalhe contribuiu para difundir a lenda de que Lampião não havia sido morto, e escapara da emboscada, tal foi a modificação causada na fisionomia do cangaceiro.
Feito isso, salgaram as cabeças e as colocaram em latas de querosene, contendo aguardente e cal. Os corpos mutilados e ensanguentados foram deixados a céu aberto, atraindo urubus. Para evitar a disseminação de doenças, dias depois foi colocada creolina sobre os corpos. Como alguns urubus morreram intoxicados por creolina, este fato ajudou a difundir a crença de que eles haviam sido envenenados antes do ataque, com alimentos entregues pelo coiteiro traidor.
Percorrendo os estados nordestinos, o coronel João Bezerra exibia as cabeças - já em adiantado estado de decomposição - por onde passava, atraindo uma multidão de pessoas. Primeiro, os troféus estiveram em Piranhas, onde foram arrumadas cuidadosamente na escadaria da igreja, junto com armas e apetrechos dos cangaceiros, e fotografadas. Depois, foram levadas a Maceió e ao sul do Brasil.
No IML de Maceió, as cabeças foram medidas, pesadas, examinadas, pois os criminalistas achavam que um homem bom não viraria um cangaceiro: este deveria ter características sui generis. Ao contrário do que pensavam alguns, as cabeças não apresentaram qualquer sinal de degenerescência física, anomalias ou displasias, tendo sido classificados, pura e simplesmente, como normais.
Do sul do País, apesar do péssimo estado de conservação, as cabeças seguiram para Salvador, onde permaneceram por seis anos na Faculdade de Odontologia da UFBA. Lá, tornaram a ser medidas, pesadas e estudadas, na tentativa de se descobrir alguma patologia. Posteriormente, os restos mortais ficaram expostos no Museu Antropológico Estácio de Lima localizado no prédio do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, em Salvador, por mais de três décadas.

18 comentários:

  1. Essa história me fascina... E sempre a releio!

    ResponderExcluir
  2. e hoje onde esta as cabeças

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As familias dos cangaceiros ganharam a causa na justiça e conseguiram o direito de enterralas.

      Excluir
  3. A melhor história que existe sem dúvidas. Me fascina, é maravilhosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e linda essa historia leiam o livro lampiao na cabeça vcs vao amar

      Excluir
  4. João Doido,Umarizal-RN19 de maio de 2012 18:47

    Qual era a taxa de mortalidade infantil no sertão nordestino em 1938? quantos sertanejos tinha o direito de ao menos abrir a boca e contestar o "patrão" naquela época? ...quantos pobres lampião matou? quantas mortes ele fez?quanto ouro,dinheiro lampião tomou de "pobre"? ...Passados mais de 70 anos,e vemos nossos irmãos nordestinos morrer na miséria,quando não em corredores de hospitais! agora vejam o caso desse roubo aqui no meu Rio Grande do Norte, onde dois desembargadores Osvaldo Cruz e Rafael Godeiro desviaram(roubou!)mais de R$ 20.000.000,00(vinte milhões) do povo! Se hoje os "coronéis" fazem tudo isso com nosso povo,como não era então na época de Lampião?!!! O Brasil exterminou 75% da população do Paraguai durante a guerra com eles,90% dos homens foram dizimados, e os meios jornalísticos vivem é de "meter o pau" na revolta justa do CANGAÇO.O povo Nordestino vive sendo enganado com essa história de lampião ter sido somente um criminoso.ELe foi um incomformado com as desigualdades do seu tempo,assim como Antônio conselheiro e o Beato José Lourenço. [guerra de canudos,5.000 mortes]......[caldeirão de Santa Cruz,A ONG "SOS DIREITOS HUMANOS" no ano de 2009, denunciou o Brasil à OEA - Organização dos Estados Americanos, por crime de desaparecimento forçado de pessoas e para que seja obrigada a informar a localização da vala comum com as 1000 vítimas do Sítio Caldeirão. A entidade considera o sítio Caldeirão como o Araguaia do Ceará, uma vez que os militares mataram 1000 pessoas e após, enterraram em vala comum em lugar desconhecido da mata dos cavalos, em cima da Chapada do Araripe.]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrea - Rio de Janeiro - RJ7 de maio de 2013 16:49

      Olá João Doido. Pena ler seu comentário somente agora. Achei de uma inteligência, verdade e o mais importante: sem demagogias e hipocrisias, que são o que, infelizmente, fazem parte do carater de boa parte da populaçao brasileira. Lampião e seu cangaço, por muitas vezes, matou a fome de minha Bisavó quando menina... A história está exposta, mas a interpretação é de cada um. Concordo plenamente com você!
      Parabéns!

      Excluir
  5. acho q ate o capeta tinha medo do lampião

    ResponderExcluir
  6. Hoje em dia a minha maior tristeza de tudo isso è ver que Mossorò, cidade onde Lampiao passou, esta voltando a acontecer o mesmo. Violencia, mortes todos os dias, roubos e sequestros de pessoas pra obter de dinheiro, assaltos e estrupos todos os dias... Ver os nossos jovens metidos na droga e na violencia è uma enorme tristeza... Penso no futuro dos meus filhos e temo o que eles podem encontrar em um amanha...

    ResponderExcluir
  7. Nada justifica o ingresso no mundo do crime. Querem justificar a saga de Lampião e de outros cangaceiros como resultado de injustiças sociais... Ora, eles eram terrivelmente cruéis com pessoas em geral: crianças, mulheres, velhos... Eles queriam dinheiro, ouro, animais e ai de quem não os tivesse ou os se lhes negasse... Há uma corrente em nosso pais que quer justificar a ação de Lampião e de outros cangaceiros em nome de uma ideologia política. Já já será considerado um herói ou, quem sabe, canonizado. Lampião, como todos os outros cangaceiros era um monstro sanguinário como o são hoje os do crime organizado e desorganizado. Ele teve o fim que merecia. Pena que nem todos os de seu bando foram devidamente justiçados. Alguns deles passaram a vida dando entrevistas no rádio, revistas, jornais e tv. Ah! Brasil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! O cangaceiros malditos mataram, roubaram, estupraram, humilharam, castraram, marcaram mulheres inocentes com ferro quente, dizimaram famílias e ao invés de serem colocados em moedores de carne dão audiência para rádios e TVs sensacionalistas!
      Lampião herói né, queria ver uma pobre família em apuros olhando para o Céu e dizendo: Oh meu Deus, mande o Herói Lampião e seu bando para nos ajudar....

      Excluir
  8. lanpião rei do cangaso justiseiro sim
    ladrão nunca.

    ResponderExcluir
  9. Lampião uns dos melhores cabras do Nordeste ,tive o orgulho de conhece-lo ,me da orgulho ,Lampião fez muita parte na cultura brasileira , é uma grande honra esse cabra da peste kk ,conheço ele por hj ele ser espirito e incorporar na minha tia

    ResponderExcluir
  10. A primeira cabeça de cima tá estranha. porquê?

    ResponderExcluir
  11. Assino em baixo o que disse o Druca...Lampião teve o fim que merecia, pois nada justifica a violência e terror implantada pelos bandidos do cangaço.

    ResponderExcluir
  12. Sinceramente, independente das justificativas e do que as famílias dos cangaceiros achem, Lampião e seu bando foi uma das piores desgraças que já viveram nesse mundo. Uma pequena dose do que foi esse FDP, pesquisem sobre o que aconteceu com Manoel Salina, tudo orquestrado por Lampião. E caso pense em defender, explicando, justificando, comparando com políticos ou outros bandidos de hoje, ou falando de mentalidade épica ou sei lá o que alguém que se simpatize com isso venha a dizer, pense somente nessa pequena amostra desse monstro. Gostaria realmente de saber se existe algum ponto de vista, que não o do cão, que consegue chamar uma praga dessas de herói!

    ResponderExcluir
  13. O que a policia fez com lampião e Maria bonita foi cruel e bárbaro alem de covarde

    ResponderExcluir