Inacreditável: Vereadores de oposição querem penalizar prefeito por ter viabilizado construção da Biblioteca Indústria do Conhecimento em Acari

Por: Romeu Dantas
Já diz um certo ditado: "quem quer fazer, encontra um meio; quem não quer, arruma uma desculpa". Que a Biblioteca Indústria do Conhecimento Pety Fernandes de Araújo não teria saído do papel se dependesse da bancada de oposição na Câmara Municipal de Acari, todos sabem. Agora o que poucos sabem é que, mesmo após inaugurada e colocada em funcionamento, a obra permanece sendo questionada pelos cinco vereadores contrários ao atual governo, Leonardo Ferreira (Leó), Albervânia Medeiros, Chico Dias, Nenilvan Rodrigues e Zuil Ribeiro. Eles ingressaram com uma representação no Ministério Público acusando o prefeito Isaias Cabral, responsável por viabilizar o investimento junto a FIERN, de agir "arbitrariamente". Só porque o gestor lutou para que a biblioteca virasse realidade, assinando um decreto cedendo um terreno para sua construção e derrubando decisão do Legislativo que desaprovou, por cinco votos a quatro, o projeto que dispunha sobre a cessão encaminhado pelo Executivo.



Na representação, os cinco vereadores, liderados pelo presidente da Câmara, Leó, afirmam que são contrários ao local onde foi construída a biblioteca, alegando que o prédio foi edificado em uma área esportiva, próximo ao Ginásio de Esportes Dr. Jorácio Mamede Galvão. Essa é a mesma justificativa (para não dizer desculpa) utilizada por eles quando votaram contra o projeto encaminhado pelo prefeito à Câmara. Na época, disseram que o local escolhido pela gestão municipal, com o respaldo do engenheiro da FIERN, era"barulhento". Hoje, com a biblioteca em pleno funcionamento, está provado que não há problemas quanto ao barulho externo, pois a mesma apresenta isolamento acústico e é climatizada.


Tentando justificar o injustificável, a bancada oposicionista na Câmara emitiu, no dia 19 de dezembro de 2013, uma nota declarando que só votaria a favor da construção da biblioteca se o local escolhido fosse "atrás da vila militar, ao lado do Conselho Tutelar". Primeiro, os edis não sabiam sequer que o terreno em questão não pertence ao Município, e sim à EMATER; inclusive tendo sido doado pelo ex-prefeito Juarez Bezerra. Segundo, o terreno seria insuficiente para receber a obra. Terceiro, não possuía visibilidade para uma obra de tamanha beleza arquitetônica. Sem contar que em frente ao terreno em questão existe uma fossa. Veja:


A verdade é que os vereadores de oposição tentaram dificultar a construção da Indústria do Conhecimento. Como não atingiram o objetivo, tentam agora, no "tapetão", atribuir um ato de improbidade a quem se empenhou para torná-la realidade: o prefeito. Eles foram e continuam contra. Deve ser por isso que não compareceram ao evento de inauguração, que ocorreu durante a Festa de Nossa Senhora da Guia, no dia 09 de agosto, bastante prestigiado pela comunidade.



Ademais, resta dizer que o prefeito Isaias Cabral agiu em conformidade com a Lei Orgânica do Município ao assinar o decreto.