Secretaria de Saúde de Acari reúne comerciantes que revendem "Água de Natal" na cidade para discutir qualidade do produto



A Secretaria Municipal de Saúde realizou na noite desta segunda-feira (28) uma reunião com comerciantes que revendem a tradicional "Água de Natal" na cidade de Acari. O objetivo do encontro foi discutir a qualidade do produto e as formas corretas de armazenamento, tendo em vista que um levantamento feito pela Vigilância Sanitária, através do Programa VIGIÁGUA, detectou no mês de abril a presença da bactéria Eschenrichia Coli em seis estabelecimentos. A ocorrência dessa bactéria torna a água imprópria para consumo humano.

Na oportunidade, a bioquímica do NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), Kalyane Adja, deu as orientações necessárias aos comerciantes para o processo de higienização, que garantirá os requisitos mínimos para a comercialização da água dentro dos parâmetros legais. Entre as orientações, o uso de luvas e máscaras no ato de abastecimento e a limpeza periódica dos depósitos de água merecem destaque.

A secretária de Saúde, Virgínia Lélia, informou que a equipe da Vigilância Sanitária, que é coordenada pela nutricionista Isabel Cristina, irá fazer uma nova coleta da "Água de Natal" diretamente na fonte, que é o caminhão que traz o líquido para vender na cidade, para analisar suas condições. Após o estudo, a mesma equipe visitará os locais de revenda da água para analisar as condições de abastecimento do produto e orientar os comerciantes sobre as mudanças necessárias para a comercialização. Por último, após um prazo, a equipe voltará aos locais para conferir as adequações.

Água nas escolas

O levantamento do Programa VIGIÁGUA referente a abril também analisou amostras de água coletadas em algumas escolas da rede municipal de ensino. O resultado do estudo, encaminhado pelo Laboratório Regional Dr. José Paulo Filgueira, de Caicó, não apontou contaminação na água oferecida aos alunos. Na Escola Municipal Major Hortêncio de Brito, por exemplo, a amostra coletada no bebedouro das crianças foi considerada satisfatória, ou seja, dentro dos parâmetros legais. Na Escola Municipal Cipriano Santa Rosa, a água coletada na torneira usada para cozinhar também foi aprovada.